Cadê a voz do cliente no seu marketing?

Com as mídias sociais, o consumo não está mais limitado a compra de um produto ou serviço. Comprar é também comentar sobre a própria compra, ou seja, o cliente deve ser parte das estratégias de marketing como co-criador do seu conteúdo. A ação da co-criação é tomada quando se percebe que seu público é parte da sua marca.

“Vivemos a era da participação e da sociedade criativa. Para as empresas, isso significa estar mais próximas de seus clientes, trabalhando de maneira unida com eles, pois os consumidores ajudarão as corporações a criarem seus novos produtos e iniciativas de marketing. Este é o conceito da ‘co-criação’.” Philip Kotler

cliente_co_criador_experiencia_de_compra

  • Para que sua marca cresça no ambiente digital, você  deve criar e publicar histórias.
  • Descubra quem são os influenciadores conectados com a sua marca e fazer parcerias.
  • Para manter o público envolvido e feliz, garanta interações públicas com respostas aos seguidores que interagem com a marca.

    Quando há conexão com o público, é preciso garantir que ele continue engajado. Por isso é importante ampliar a sua voz. Descubra quem fala sobre os assuntos relacionados ao que você oferece ao mercado. 

    Deixe os influenciadores terem um pouco de controle sobre o conteúdo. Eles são representantes da marca. Porém, para que o conteúdo seja envolvente, as marcas também precisam dar alguns incentivos para influenciadores como prêmios ou descontos para aqueles que compartilham.
    Isso já acontece há alguns anos no mercado. Você ainda não começou?
    Engaje seu cliente e mãos à obra!

    Saiba mais sobre como engajar os seus clientes criativos neste post.

Anúncios

A importância do selfie no marketing digital

“Uma imagem vale mais que mil palavras”, disse Confúcio entre 552 e 479 a.C.
Em 2016 d.C vale muito mais se for um selfie. O autorretrato é o próprio meio nas mensagens das redes e dá grandes resultados.
Na Maximize Comunicação e Marketing Digital temos alguns clientes que resistem a ideia de captar selfies. Por isso, fizemos este post para destacar a importância do selfie como estratégia no planejamento de marketing digital, sobretudo em relação às redes sociais.

selfie-marketing-digital

De acordo com pesquisadores do Georgia Institute of Technology e Yahoo Labs as fotos com rosto, independente de sexo e/ou idade, recebem 38% mais curtidas e 32% mais comentários NAS REDES SOCIAIS.

E por que o selfie é tão mais envolvente em comparação a quaisquer outros tipos de fotografia?
O cérebro humano é capaz de reconhecer rostos mais rapidamente do que objetos e selfies entregam emoção. Além disso, rostos são universais como veículos de comunicação e não encontra barreira de língua. De acordo com Dr. Andrea Letamendi, pesquisadora na UCLA: “O selfie permite que as pessoas expressem seus estados de humor para partilhar experiências importantes”.

Por isso, os rostos humanos ganharam relevância também no marketing digital. A pioneira em disseminar o selfie para estimular o público a usar smartphone foi a Samsung. Quem não se lembra da foto do Oscar? Todo mundo copiou. Virou viral. Baita engajamento.

Você precisa motivar as pessoas se associarem aos seus produtos. A Samsung fez isso com maestria: se utilizou de “Product Placement”, onde o produto ou serviço é mostrado de maneira sutil, envolvido no contexto da cena ou como parte do cenário. Observe se o seu produto ou serviço também cabe em ações deste tipo. O seu produto ou serviço deve usar este tipo de conteúdo para envolver a comunidade.

Porque o selfie é importante como estratégia de marketing?

Para mostrar personalidade >> Clientes buscam a autenticidade como um princípio fundamental para fazer negócios com qualquer empresa. Selfies dizem muito sobre as pessoas que trabalham na empresa. Selfie de funcionários pode ser uma poderosa mensagem que diz: “Nós gostamos de trabalhar aqui e nós apoiamos a missão da empresa.”

Humanizar a empresa >> É muito mais fácil se conectar com uma pessoa do que com uma empresa, já que é um conceito abstrato. Publicação de selfies dos empregados mostram que existem pessoas reais por trás da marca. Os clientes valorizam a transparência e selfies podem fazer isso, fortalecendo a confiança.

Prova social >> Quando os clientes postam selfies com produto de uma empresa, esta é a prova social ou recomendação que outras perspectivas anseiam. Ele atua como uma propaganda perfeita, já que não é da própria empresa.

Compartilhar um sorriso, uma risada >> O humor contagia. E aumenta as chances de visibilidade na web. Incentivar os clientes a apresentar selfies por ter um concurso e recompensá-los com prêmios usando hashtag para localizá-las e agregá-las.

Atenção para o risco selfie >>  Há possibilidade de entrar imagens que a empresa não deseja associar à sua marca. Enquanto a própria empresa cria e edita os selfies que entram na página e  nas redes sociais da empresa,  ela não pode controlar o que as outras pessoas estão postando nas suas próprias redes. Neste caso, sua melhor defesa é estar ciente do que está lá fora, de quem é o seu cliente. E, claro, sempre estar pronto para o monitoramento da marca e com respostas rápidas, incluindo aceitar eventuais erros.

Engajamento e autorrealização: desafie seus clientes criativos

Uma das teorias interessantes do marketing é a Teoria de Maslow. Claro que há controvérsias, o que é sempre bom pra dialética. Você conhece? Bem, ela se baseia nas necessidades humanas. E tem até um modelo: “a pirâmide de Maslow”– que vai da sobrevivência ao crescimento .

Segundo o psicólogo americano Abraham Maslow, existe uma hierarquia de necessidades que nos impulsionam — das mais urgentes às menos urgentes. As fisiológicas (satisfazer a fome) vem antes da busca da proteção (segurança, estabilidade no emprego) ou da necessidades sociais (família, amigos, amor).

Uma das necessidades que vão ao topo do crescimento é a autoestima – de ego (status, reconhecimento, reputação) e da necessidade de autorrealização. Uma vez estabelecida,  a autoestima / autorrealização continua a ser sentida como necessidade. É aí que os publicitários trabalham suas campanhas de consumo de luxo, por exemplo.

Nesta etapa, um dos principais fatores do envolvimento dos consumidores com a autoestima e a autorrealização é a diversão, a fortuna e a fama. Tudo alicerçado na sensação de pertencimento que nasce no desenrolar da história contada pela sua marca, produto ou serviço.

pirâmide-de-maslow-marketing-digital

Possuir uma determinada marca ou adquirir um produto ou serviço pode ajudar o consumidor a se expressar e construir a sua própria auto-imagem. Estudos indicam que muitas vezes o consumidor só compra determinada marca quando encontra uma correspondência entre si mesmo e a imagem de marca (comunicada por publicidade, design de loja de varejo ou mesmo design de embalagem). Deste modo, o valor de uma marca também depende da sua capacidade para ajudar o consumidor a construir e criar o seu auto-conceito.

O self-branding é um processo em que os consumidores encontram seu próprio conceito com as imagens de uma determinada marca. No marketing digital a prova social de um selfie, por exemplo, é a propaganda perfeita, já que não é da empresa.

Se as motivações humanas de autoestima e autorrealização podem gerar colaboração com a empresa, é preciso ver que histórias você tem para contar que poderia ampliar o engajamento com o seu produto/serviço. Preste atenção no seu cliente. No que ele já diz nas suas redes sociais e o convide a interagir com a sua marca.

Alguns consumidores criativos estão à procura de tarefas divertidas, outros estão à procura de reconhecimento. Emocionar e conquistar pela autoestima e pela autorrealização é o mais importante para que a marca alcance engajamento entre seus clientes.

Nem todo consumidor quer conversar com marcas, mas alguns adoram ser desafiados a colaborar com ideias criativas para empresas reais. Este é um empurrãozinho para as empresas: solicitar aos seus clientes que participem! Aquelas pessoas que compram os seus produtos, que torcem para que você dê certo, que vivem e usam aquilo que você realiza.

Em marketing, a co-criação e a prova social de clientes e fornecedores agrega valor ao negócio.  Fique atento para inovar o seu conteúdo em troca de dar benefícios pela contribuição destes colaboradores. 

Ressalto a importância de saber contar sua história e ter uma estratégia de marketing. E pedir colaboração dos que sentem necessidade de opinar e participar da marca porque eles são mensageiros inspiradores. Permitir que as pessoas colaborem é essencial para atingir o objetivo.

Em qualquer situação, dê muita atenção ao feedback. Deve haver um canal de diálogo aberto e pronto para atender a estes criativos e engajados colaboradores. E lembre-se. Sua marca, produto ou serviço precisa ter emoção para conquistar e engajar pessoas. E este canal deve ser humanizado. Nada de automatizar respostas neste sentido.

Portanto, é preciso que a qualidade do produto ou serviço seja vista pelo empresário como base essencial para a ação. Como diz Camila Farani em O desafio das Marcas: emocionar o público“Uma empresa que deseja estabelecer uma relação emocional de sucesso com seus clientes precisa prioritariamente oferecer o melhor serviço e experiência que eles podem ter. Exceder as expectativas é a melhor forma de fazer com que as pessoas criem ‘burburinhos’ a respeito de uma marca. Para isso, os clientes pagam até mais simplesmente porque querem fazer parte de um estilo de vida.” 

Saiba quais as 6 características da autorrealização.

Se quiser falar mais sobre isso comente e/ou envie mensagem: sandravasconcelos.press@gmail.com

Forever 21 e o ousado projeto com o Instagram

A fast-fashion Forever 21 realizou um projeto interessantíssimo associando a engenharia, tecnologia, moda e marketing de relacionamento por meio da rede social Instagram.

Desenvolvido com a ideia da agência Breakfast, o painel de 3,35 × 2,74 metros é feito com 6400 carretéis de linha. O objetivo é permitir que os fãs da marca vejam suas próprias imagens no painel instalado na loja de Nova York. Nele são projetadas as fotos (selfie) enviadas pelos seguidores da marca no Instagram. Para isso, é preciso que o usuário (perfil público) do Instagram publique a foto com a hashtag #21ThreadScreen.

Veja como tudo foi feito assistindo o vídeo (em inglês).

O projeto levou um ano para ficar pronto. A máquina custou cerca de R$ 10.000,00. O painel só fica em Nova York esta semana.

No youtube tem transmissão ao vivo. Mas você pode acompanhar tudo no site  F21ThreadScreen.com.

Garimpado em CatracaLivre

maximizeconsultoriamarketing@gmail.com

4Ps: Marketing não pode ser reduzido às Mídias Sociais

Ao falar sobre Marketing, a maioria dos clientes pensa em Redes Sociais. Claro que elas fazem parte do plano, mas não são os únicos componentes da estratégia para melhorar a comercialização de seus produtos ou serviços. Para ir além em um mercado competitivo, é preciso começar construindo Plano de Marketing — o que inclui, claro, o Marketing Digital.

Como o objetivo final de todo Marketing é gerar vendas, o primeiro passo para construir o sucesso do seu negócio é definir os quatro Ps e entender como eles ajudam na estratégia.
Os quatro Ps do marketing são a chave para o desenvolvimento de um plano de marketing eficaz.

Planejamento de Marketing

1. PRODUTO

A base de qualquer negócio é o que você está vendendo. Descreva o produto ou serviço que você oferece. Se for um item físico, anote as diferentes opções, embalagem, características e tamanhos.

É importante aprofundar e avaliar como esse produto atende às necessidades do cliente, as características e benefícios e qual a sua vantagem competitiva. Detalhar como os produtos serão fabricados ou como os serviços que você oferece serão prestados. Em seguida, identificar o problema mais profundo que o produto ou serviço vai ajudar o cliente a resolver. Por exemplo, o produto pode ser um serviço de tecnologia que ajuda o cliente a organizar o estoque. Mas também vai ajudar o cliente atingir metas de vendas e ganhar mais dinheiro a cada mês.

2. PRAÇA

O segundo P significa a forma como o produto ou serviço será entregue. Neste ponto, descreva os canais de distribuição e instalações físicas necessárias para transportar o produto — desde a produção e armazenamento até o consumidor. Por exemplo: como o produto é armazenado? Qual a logística de entrega? Usará serviços de terceiros para distribuição?

3. PROMOÇÃO

O terceiro P – é onde muitas das idéias táticas para comercialização de seu produto ou serviço vão entrar em jogo. Nesta fase, delinear quais os canais de publicidade sua empresa irá utilizar para que as pessoas saibam sobre o produto. Por exemplo, você vai usar folhetos, revistas ou anúncios? Vai criar mala direta, contratar assessoria de imprensa para radiodifusão e publicações em jornais e revistas? Vai investir em quais mídias sociais? Faça todas as suas relações com suas ideias e estratégias. Em seguida, reveja suas redes pessoais e de negócios para determinar quem pode ajudá-lo a implementar as estratégias de Marketing.

4. PREÇO

O quarto P é o preço. É aqui onde você determina quanto o mercado vai pagar pelo seu produto ou serviço. A estratégia de preços do seu produto ou serviço está relacionada com o seu mercado/público-alvo. Determine preço, descontos, subsídios por atacado, prazos de pagamento e condições de crédito.

Para desenvolver um plano de marketing você precisa apenas sentar e ter foco para escrever. Além disso, deve se articular com potenciais clientes porque é muito importante ouví-los. Uma dica é juntar-se a organizações profissionais, entrar em contato com a associação de comércio local. Desta forma, vai articular melhor o seu plano de marketing com seu público-alvo usando as mensagens certas de forma mais eficaz.

Caso precise de consultoria para criar desenvolver seu Plano de Marketing, é só me chamar!

sandravasconcelos.press@gmail.com

Para que serve uma campanha de Marketing de Incentivo

marketing de incentivo  visa motivar os profissionais de uma empresa, explorando ao máximo o talento e as potencialidade dos envolvidos. O marketing de incentivo oferece recompensa por metas alcançadas como prêmios (viagens, por exemplo) e bonificações (dinheiro). Para implentar e obter sucesso é necessário uma campanha bem direcionada.

Quando bem implementado, o marketing de incentivo aumenta as vendas e as receitas. Também é interessante usar o recurso para o lançamento de novos produtos e até mesmo para a diminuição de custos. O resultado positivo ajudar a melhorar o desempenho do funcionário da empresa porque mensura e estimula uma boa atuação no atendimento. A ação costuma reforçar as atitudes positivas do profissional de forma duradoura. Esta modalidade de marketing tem como público equipe de vendas, revendedores, assistência técnica e até mesmo distribuidores.

Quando voltada para funcionários de uma mesma empresa, para obter sucesso a campanha deve sim incentivar a competição, mas não pode se tornar algo hostil. As metas têm que ser alcançáveis, caso contrário podem ter efeito contrário e desestimular os funcionários.

marketing-de-incentivo